Contador de Visitas

Seguidores

domingo, 27 de janeiro de 2013



Prevenção, Cuidados e Responsabilidades!
Quem se preocupa com isso?
Ricardo Martins

Aqui no Brasil? Ninguém! Com toda a certeza, a omissão é total, ampla e irrestrita.

O Brasil anda ao sabor do “fazer por fazer” e faz tempo, nos últimos 10 anos isso se agravou e de forma contundente, portanto, prevenir, planejar, ficalizar, exigir ou algo semelhante é coisa rara, quase desconhecida por aqui, principalmente sob a ótica da Gestão Pública, do chamado serviço público. Entretanto, não é apenas nesta esfera e  dentro dos chamados Poderes da República que isso ocorre, ou melhor, não ocorre, é fato comum e acontece frequentementemente ou não acontece, também em grande parte da sociedade organizada e estabelecida,  os “empresários” brasileiros pouco se preocupam com isso e outras responsabilidades, sob vários aspectos que os envolvem.

É fácil constatar: Os pacotes dos produtos industrializados vêm a cada ano acondiconando menos produto, as embalagens contém produtos com menor peso e os preços cada vez estão mais caros, produtos congelados contém em grande parte o peso do “gelo”, e por aí vai. Um exemplo do Gestor Público, prefeito, governador? Prevenção contra enchentes e enxurradas? O que foi feito nos últimos anos? Nada! Ficaram com o $$$ do governo federal, apenas isso, e grande parte direto para o bolso de cada um. E assim é por todo o Brasil, em todo e qualquer tipo de serviço público e no cerne da sociedade estabelecida, na chamada classe empresarial.

Alguém acredita que os empresários em geral estão realmente preocupados em oferecer o melhor serviço, o mais confortável e seguro aos seus clientes? O empresário do entretenimento, por exemplo, quantos acidentes ocorreram no Brasil nos últimos anos? Em parques e locais de entretenimento infantil, para jovens ou para adultos? Você acha que todos os ambientes possuem saídas de emergencia, equipamentos de segurança e contra incêndio? Poucos os têm, poucos mesmo! E a fiscalização do serviço público? Na concessão de alvarás para festividades abertas ou fechadas, você acha que as prefeituras estão interessadas em verificar In loco cada situação antes de conceder o alvará? Pura utopia! Sonho, pior que isso, delírio!

Lembrem-se das terríveis tragédias climáticas, enchentes, enxurradas consequentes de chuvas torrenciais, o que foi efetivamente investido em obras de prevenção, planejamento técnico, enfim ações para minizar estas consequencias trágicas? Nenhuma! E as tragédias se repetem, aqui e acolá, todos os anos, na mesma época, e o que fazem, reitero, os políticos, os governantes, os administradores públicos? NADA!
Portanto é um conjunto de desinteresses, de omissões e de irrresponsabiliidades, quer seja no setor público ou privado que levam, via de regra, a estas situações catastróficas e tragédias monumentais, com perdas de vidas em massa, como esta ocorrida nesta Boate em Santa Maria, no RS.

É culpado o organizador da festa, o dono da Boate, o Prefeito e sua equipe de fiscalização, o Bombeiro, enfim, TODOS os envolvidos na operação que não se preocuparam préviamente e de forma séria e responsável com um evento deste tipo.

Certamente nem este nem outros gravíssimos acidentes, tragédias e fatos com  repercussão negativa, prejuízos e mortes teriam ocorrido se existisse rigor na fiscalização, nas concessões, caráter no dono do estebelecimento, atenção da comissão que organizou o evento, enfim e a partir de uma regra geral para todo e qualquer tipo de emprendimento ou evento de lazer e entretenimento, exigir uma  rigorosa atitude e postura de todos os envolvidos.

Na realidade o que falta nestes casos é o que falta ao Brasil via de regra: falta gente de qualidade, interessada no coletivo e no público, gestores e “autoridades” preparadas e a fim de fazer bem feito, falta rigor na Lei, falta fiscalização, falta uma série de coisas. Todavia a meu ver, o mais grave é a falta de caráter do brasileiro, do cidadão brasileiro,  e não é do pobre não, a “podridão”, a indecencia e a imoralidade estão no cerne da classe média e dos chamados privilegiados, mamadores na têta, onde se destaca a classe política nacional e um grande número de empresários, agentes públicos, serventuários da justiça em todos os níveis e categorias, na real, um bando de corruptos e safados que dilapidam e há anos, desde 1500, o erário nacional, roubando o  que é do povo decente e do bem, e esta devassidão se extende à falta de dignidade e ao desinteresse na hora de ficalizar, prevenir, planejar, ou seja, agir de forma segura e adequada. Pena!

Este país e seu povo ordeiro não mereciam isso, ser refém dos seus próprios representantes legais, dos seus pares, iguais e de grande parte de seus irmãos.

4 comentários:

Elizetesou disse...

È querido escritor, é mais ou menos assim:Entre, divirta e salve se quem puder.E a vitima é sempre o descaso....Lamentável esta falta de compromisso com os demais..

ararubas disse...

Caro Ricardo, tem toda razão na sua bem escrita crítica, a julgar pela omissão dos poderes numa pirâmide onde o Gov. Federal está no topo, e nós pobres mortais esmagados pelo peso da incompetência sustentando a bandalheira. Se tivéssemos uma ABNT que normatizasse de maneira clara, órgãos de segurança e fiscalização atuantes, sem estabelecer as conhecidas dificuldades nos trâmites para venderem as facilidades. Obedecendo a critérios de seriedade desde a cúpula no bico da pirâmide, o presidente (a) da República. Pudéssemos nos orgulhar de viver num dos melhores países do mundo, ao invés temos isso, campeões em tudo que não presta!

Rosemeire Silvério disse...

Muito bom seu texto ate quando vamos ver tanto descaso por parte do poder publico fazendo vista grossa a tudo , que esta tragedia não seja so mais uma pra ser lembrada e sim pra que os orgãos responsaveis pela ficalização seja mais exigentes nas suas vistoria. temos sim que cobrar das autoridades não adianta so ficar se lamentando .
Parabens pelas criticas muito bem colocadas.

Valquiria disse...

Querido amigo. De fato nos tornamos reféns de si mesmos. Cabe a nós fazer valer nossos direitos e está na hora de reaver as leis no nosso país. Vejo tudo isso como processo real da metamorfose política cujas as mudanças ocorrem após as eleições. Mocinhos viram bandidos e políticos viram ladrões. E nós ? Na grande maioria somos as marionetes !!!



São escândalos após escândalos, estes nas quais humilhantes para a nossa nação tão sofrida. Submundo, subvida, subdesenvolvimento nos órgãos públicos e estaduais; e “salvem-se quem puder” !!!


Só deixaremos de ser reféns de nós mesmos a partir do momento em que começarmos com o NÃO. O NÃO à precariedade, o NÃO ao "deixa por isso mesmo" , o NÃO ao despreparo, o NÃO a impunidade que assola nossa nação e o principal de tudo. Nas eleições; a escolha correta daqueles que serão os nossos representantes legais nos órgãos públicos.