Contador de Visitas

Seguidores

sábado, 19 de fevereiro de 2011


Hipocrisia! A pior das máscaras!
Ricardo Martins

Todos nós somos resultado de nossa formação, familiar e educacional, e também “produto do meio”. Não tem como correr ou não admitir isso!

O povo brasileiro historicamente foi “formado”, na real, colonizado, por povos que por aqui não tinham outros interesses que não fosse roubar ou retirar riquezas e transferir para seus próprios bolsos ou para as “Coroas” portuguesa e espanhola, inicialmente, depois a francesa e holandesa. Estas últimas até que vieram por aqui com outros intuitos e lamentavelmente foram expulsas, pois tivessem permanecido por mais tempo, teríamos 
outro tipo de formação de caráter e personalidade de nosso Povo.

Estes fatos, nos primórdios da colonização, somados à falta de investimento e interesse de vários governos pela educação e a formação cultural da população, provocou neste extenso e maravilhoso país um desequilíbrio enorme entre regiões e dentre seus habitantes, isto é notório no Norte e Nordeste, no interior de Minas Gerias, muito por influencia dos chamados “Coronéis”, políticos que detinham o poder e o usavam implacavelmente contra inimigos e contra os pobres, que apadrinhavam, mas mantinham como verdadeiros escravos,  e onde também o peso da Igreja Católica e seu interesse dominador e anacrônico contribuíram por demais com esta situação.

 No decorrer dos últimos anos, pós Getulio Vargas e Juscelino Kubitscheck, o país enfrentou um regime militar dos mais cruéis e que em nada acrescentou ao seu desenvolvimento, no aspecto da educação e formação cultural e moral. Foi um período longo que no somar trouxe inúmeros e grandiosos prejuízos ao povo brasileiro e aos pais institucionalmente.

De novo diante da “democracia”, o país evoluiu certamente, porém ainda, a meu ver, longe, muito longe de resolver suas reais carências, preponderantemente nas áreas da educação, emprego e renda, saúde, transportes, agricultura e segurança pública, ou seja, as necessidades básicas.

 A classe política, por sua vez, se revelou altamente corrupta, corrompida e venal e o ambiente político apodrecido, em geral, por todos os cantos do país, propiciou a formação de inúmeras quadrilhas das mais variadas vertentes, com os mais diversos propósitos, mas um só objetivo: roubar o Povo brasileiro de todas as maneiras possíveis! Lamentavelmente isso se estendeu por todos os poderes da república e grande parte da chamada sociedade organizada e o reflexo é o Brasil que temos aí, infelizmente abandonado, socialmente falando.

Só não vê quem não quer ver, quem está comprometido corporativamente com a hipocrisia e com o interesse próprio, e são muitos, a grande maioria dos segmentos e setores da coletividade.

Óbvio que é necessário investir na educação e formação da criança e do jovem, porém é óbvio também que os menores infratores contumazes e irrecuperáveis devem pagar o preço de seus crimes com qualquer idade e com o máximo rigor.

É óbvio que a justiça e a decisão de um magistrado devem preservar o direito das pessoas, as de bem, não do marginal, porém diante desta legislação que aí está e do desinteresse dos magnânimos juízes, ocorre o contrário, quem se beneficia é o infrator, o bandido, o marginal, o poderoso, o rico, enfim. Então, enquanto não existir interesse, nem do legislativo, do judiciário, nem tão pouco do executivo, em reverter este quadro, que o magistrado aja com o bom senso, protegendo efetivamente a população que é vítima e está completamente desprotegida e refém do crime.

Evidente que nesta linha poderia citar centenas de maus exemplos que necessitam de urgente reforma e adequação, mas não é o caso, para quem escrevo isso fica bem claro, não entende nem entenderá aquele que se trasveste com a máscara da hipocrisia.

Falta educação, formação cultural à grande parte da população? Óbvio que sim! Contudo a falta de caráter, dignidade, decência, personalidade, humanidade, bom senso, compostura e interesse coletivo fazem, com toda a certeza, muito mais falta neste momento.

É hora de se deixar de ditar cátedra e discutir o sexo dos anjos, e sim agir com determinação, exigindo proteção às pessoas, aos cidadãos e a coletividade bem geral.

13 comentários:

Franklin Ribeiro disse...

Gostei muito da leitura, direta e muito limpa. Parabéns.

Roberto Arruda disse...

Amigo parabéns pela clareza de idéias que em seu bojo retratam a realidade da formação social e econômica do Brasil. Sim somos um pais espoliado e subserviente. Grato pela indicação de leitura acerca de suas reflexões. Somos o que fazemos do que fizeram conosco, contudo, ao despertar para a consciência de mundo, sabemo-nos os responsáveis pela sua mudança, e mudança reivindica ação. Att. Roberto

Carmen Regina Dias disse...

Ricardo vocë escreve bem pra caramba. Náo restaram dúvidas sobre a influëncia da papinha primordial
na formação do caráter das pessoas
que vieram detendo o poder na história do Brasil.

>"...os mais diversos propósitos, mas um só objetivo: roubar o Povo brasileiro de todas as maneiras possíveis!..."

Mas, eis que, neste Novo Tempo que se iniciou há 8 anos, estamos tendo a oportunidade de VER, - pois que nem ver podíamos até entáo - a mídia sempre foi arreglada com o Poder e só deixava o povo ver o que
Ela quis.

E teremos mais 4 anos, pelo menos, pela frente para ver melhor ainda,
inclusive para ver quem sáo os formadores da grande teia da corrupção destes tempos modernos,
e, estou segura disso > de verem
realizados os ideais citados por ti
na brilhante matéria que acabo de ler.
Ricardo, parabéns! Vocé é de uma percepção que só os Grandes Jornalistas, de dom e talento sáo capazes de apreender.

Antonio disse...

Ricardo. Você é um dos poucos que escrevem sobre nossas mazelas que não esquecem o Poder Judiciário, suas deficiências e suas politicagens. A corrupção de um juiz é infinitamente pior que a de um político ordinário porque a sociedade espera sua isenção que, muitas vezes, nada mais é que a máscara de seu texto bem escrito. Parabéns pela clareza de ideias.

Regina disse...

Mais do que tudo, melhorar a qualidade da educação é promover a justiça social, é legitimar e recuperar a dignidade das pessoas...

Parabéns por ter sensibilidade e compromisso social correndo nas veias.

José Carlos disse...

Concordo contigo! Mas do jeito que esta não vai acabar bem,nem pra um nem pra outro.O povo ou pelo menos parte dele esta sob o efeito das armas,da crueldade,e sem liberdade.Uma hora o gigante acorda e o país vai passar por um trauma,ciosa que nunca passou.

Ivete Depelegrim disse...

Texto Perfeito!!!
A mais pura expressão da Verdade.
E acrescenta-se à lista de coronéis os neo-coronéis da mídia que por ter dono e dono que está no poder não fala a Verdade dos fatos para a população que sem senso crítico acompanha e emociona-se com BBB, que ao inves de trabalhar afirma que fazer filhos é lucrativo pois o governo com nosso dinheiro sustenta com bolsa.
Parabéns Ricardo!!!

@crivellari_MG disse...

Excelente Texto !!! É o Brasil nu e cru. Parabéns !!!

Ramona Carneiro da Cunha disse...

O Brasil é um pais de formação européia, mas não esqueça que temos indios e negros nessa árvore genealógica, o que nos deixa uma herança difícil. A constituição em vários momentos da história é ignorada e renegada. O pai de família trabalha o mês inteiro e no fim recebe seus míseros R$ 545,00 e um preso, que pode ser pedófilo, assassino, estrupador , enfim, um marginal que destroi vidas, recebe de uma tal de "Bolsa Cadeia" a quantia de R$ 862,11, o que o amigo acha?
Sinto como se todos as vezes que elegemos ou reelegemos um novo governante estamos partindo do zero. Como se nada existisse para tráz. Nos resta neste momento de profunda reflexão apenas uma ação. A de finalmente ultilizar-mo-nos dos novos meios de comunicação, para nos unir-mos em torno de um mesmo plano e ideal e assim conseguir-mos um êxito e um pais só nosso de verdade, e onde possamos cada vez mais ter orgulho da nossa pátria.
Espero sinceramente que esta senhora, nossa presidente,tome novos rumos e reescreva páginas menos tensas desta nova caminhada.
Agradeço oportunidade de me colocar,
Ramona
ps:. seu texto é excelente, uma aula.

Maria Amora disse...

Ótima análise!
Resta saber se há luz no fim desse túnel escuro.

Tuca disse...

Quando lidamos com caráter é muito raro que haja mudanças de comportamento. Ao detectarmos o HIPÓCRITA, que além de mentiroso é confortavelmente egoísta, só um sorriso sarcástico pode derrubas suas peripércias e, fazer valer, que ele não enganou.

Ester Eloisa disse...

Já disse isso aqui e repito. As leis são feitas pelos representantes do povo. Se queremos mudá-las por achá-las injustas ou ineficazes, devemos forçar ou mudar nossos representantes. Os juízes apenas as cumprem. Mas, esperar o que da Reforma política num governo do PT.

Léo Santos disse...

O que é hipocrisia? É um disfarce, uma mentira, um engano. Quem é o hipócrita? O hipócrita é um ator que representa um papel diferente daquilo que é na vida real. Ele faz o papel de outra pessoa. Ele apresenta-se como uma pessoa totalmente distinta da sua verdadeira personalidade. O hipócrita é o homem que faz com que sua luz brilhe de tal forma diante dos outros que eles não possam saber o que está acontecendo por detrás dela. O hipócrita vive de aparências. Ele se protege atrás de máscaras. Vive uma mentira, uma farsa. Ele faz da vida uma peça de teatro e olha os demais como uma plateia que precisa entreter, e sob os efeitos das luzes artificiais, representa um papel comovente destinado a arrancar os aplausos de seus admiradores.
Jesus foi mais duro em suas palavras com os hipócritas do que com os ladrões e prostitutas. Esses tinham consciência de que eram desprezíveis. Aqueles também o eram, mas procuravam impressionar com qualidades que não possuíam. Uma prostituta maquiada é menos perigosa do que um hipócrita disfarçado.
Somos quem somos, não o que apresentamos ser. Mas, na realidade, nos admiram e amam pelo que aparentamos. Não é nossa personalidade que é amada, mas a máscara que a encobre. O personagem que representamos no palco da vida, com os cosméticos da vaidade e sob as luzes da auto glorificação, é diferente do “eu” que existe no recesso da intimidade, sem as máscaras da hipocrisia. Nossa verdadeira identidade surge quando estamos sozinhos, longe de casa, dos amigos, da igreja, da vigilância.


Nada há pior que sermos por fora aquilo que não somos por dentro.