Contador de Visitas

Seguidores

sábado, 12 de março de 2011


Tragédias Climáticas “Omissão, irresponsabilidade e falta de 
interesse”(Reedição)

Ricardo Martins

Que a Natureza tem, nos últimos anos, enviado severos e enfáticos recados e rigorosas reclamações à humanidade sobre o desleixo, abandono e falta de interesse quanto a sua preservação, é uma situação clara e óbvia. E que o Homem não tem dado nenhuma atenção a estes recados, também é óbvio.

Estes fatos têm ocorrido há décadas, tanto uma coisa como a outra e a intensidade desta cobrança vem a cada dia se tornando mais dura e contundente, assim como o desinteresse e a falta de atenção do Homem. 

Os governantes de todo o Mundo, via de regra, apenas se pronunciam através de discursos vazios, na real, a chamada conversa fiada, e pouco têm feito em direção à recuperação do meio ambiente, do ecossistema, enfim do Planeta como um todo.

E as tragédias se repetem, aqui e acolá. O desequilíbrio climático é evidente ao mais puro leigo, os fenômenos naturais se sucedem com todos os nomes e identificações possíveis, sepultando milhares de pessoas, devastando cidades e até pequenos países por inteiro.E o que fazem os políticos, os governantes, os administradores públicos? NADA! 
No Brasil, em pleno ano de 2011 são centenas de municípios, até de grande porte, que ainda não tem uma política direcionada para a adequação dos córregos e rios que cruzam e até dividem as cidades, além do tratamento ao lixo e detritos em geral. 

Nas encostas, as regiões de vegetação superficial e passagem natural da água da chuva são ocupadas irresponsavelmente pelo povo, com a permissividade do agente público, que deveria fiscalizar e impedir, com o máximo rigor. 

Não adianta apenas publicar a Lei, é indispensável sua execução sem complacência, porém o que mais ocorre nestes casos é vista grossa e a liberalização remunerada por boas comissões. 
É importante frisar que não é apenas o pobre, aquele que ainda é miserável mesmo, porque assim inclusive deseja, por opção pessoal, que leva o perigo a estas cenas e regiões de risco, o rico e abastado também, e este paga polpudas gratificações ao agente público para construir ali, onde deseja. Isso ocorre por todo o Brasil, quase sem distinção de estados e municípios. 

Evidente que a isso se deve somar o problema do lixo, da má educação da população, mas tudo é conseqüência das concessões ilegais e da permissividade irresponsável das autoridades governamentais.

Procure saber, por exemplo, em sua cidade, quanto e o que foi investido no último ano em contenção de enchentes e prevenção de tragédias climáticas, inundações e outras, depois procure saber nos dois últimos anos, nos últimos 05 anos e nada vais encontrar, pois nada ou pouco foi feito ou investido. 

Agora, “os caras”, os administradores públicos, prefeitos, governadores, deputados, vereadores e fiscais estão cada vez mais ricos, parecem até presidente de confederação esportiva nacional. São terrenos aqui e ali, sítios, fazendas, carros importados, chácaras, casa de praia e nas montanhas, tudo comissão recebida por conta de fechar os olhos e liberar as licenças para construção de mansões, conglomerados turísticos e condomínios particulares de alto luxo, em locais de preservação ambiental, em circuitos naturais e de alto risco, por conta dos fenômenos da Natureza.

E quando estes ultimamente ocorrem com uma fúria e intensidade assustadora, pouco sobra em pé e pessoas, famílias inteiras sucumbem, perdem tudo, inclusive a Vida. 


Você tem alguma dúvida de quem é o responsável ou responsáveis?

6 comentários:

Anônimo disse...

O que podemos dizer sobre este caos-ou pré-caos- que vivemos? nos lamentar por estar perdendo nossos recursos naturais e sofrer desastres consequentes ou dar graças pelo verdadeiro caos não ter invadido a vida de todos? Ao ler "Não verás país nenhum" de Ignácio Loyola; pudemos sentir o país que merecem estes' que Ricardo Martins descreveu, os que com seu dinheiro tem privilégios e compram até mesmo o ar que respiramos; mas não podemos nos esquecer que nesse mesmo país que eles' merecem viver, viverão nossos filhos e netos. -> O que me diria sobre essa omissão e individualismo que você vive? -nós vivemos- Quando deixarmos de ser tão "soberanos" e "onipotentes" talvez será o dia que não teremos mais água para saciar a sede de nossos filhos.

Marco Sobreira disse...

Amigo, é o que disse no meu artigo, "Denunciar é o que nos resta" Concordo com tudo que vc escreveu, a corrupção em todos o níveis e o imediatismo dos que estão no Poder, impedem que se façam as coisas certas nesse País. Estamos só amigos, mas não desanimenos, escrever, escrever, escrever, denunciar à exaustão, até que um dia alguém começará a ouvir e então poderemos repensar o Brasil.
Grande abraço.

Anônimo disse...

En qué están pensando los políticos, ante estas situaciones, parece increible que los políticos pierdan su tiempo en cosas tan innecesarias!
Saludos.
Dr. José Manuel Bautista Vallejo
Universidade de Huelva (Espanha)
http://www.investigalog.com

CRITICANDO A MÍDIA disse...

Amigo
Concordo com teu brilhante texto, muitos problemas, a maior parte deles é a falta da gestão pública por parte dos nossos governantes. Nisto inclue-se também a falta de uma boa educação por parte dos cidadão, jogar lixo nas ruas causa problemas e o gestor público deveria melhor orientar sobre isto e adotar medidas para solucionar isto.
Já a Natureza, só o Criador comanda.... nós só temos que a ouvir e nos portarmos melhor.
Abraços
Ivete Depelegrim

Maria Amora disse...

Pobre de nós brasileiros. Pagamos tanto imposto quanto na Suécia mas não vemos nem um décimo do desenvolvimento sueco, da assistência médica, e serviços.
Aqui rouba-se merenda escolar, medicamentos, e os aposentados. Rouba-se nas grande e pequenas empresas, a cultura da comissão invadiu todas as obras necessárias.
Pobre de nós, do nosso povo que ainda vai sofrer demais antes que aconteça uma nova ordem.
Ótimo e oportuno artigo, Ricardo.

henrique disse...

Parabens pelo texto, todavia devemos culpar em grande parte os poderes públicos que nada fazem e nem fiscalizam, mas também toda a sociedade, que sem educação, prejudicar sobremaneira o meio-ambiente. Além disso, com raras excessões, e vc é uma delas, muitos falam , mas são os primeiros a fazer. Tô cansado tambem de assistir gente se passando de bonzinho, de ecologista,cheio de ideologia, mas quando oferecem um cala-boca, um empreguinho, mudam de pensamento assim como os ventos.No Brasil, tá dificil, a lei de Gerson, ainda é a maior de todas, LEVAR VANTAGEM EM TUDO !